A luz do farol


Distante do precipício observo a luz do farol 
Sobre as ruínas, ao apagar do Sol


Nesse ar meio escuro exploro minhas ideias pendentes
Mas nada adianta voltar-se para trás
Sem realmente compreender o que te satisfaz
Enquanto assassinos mentais enganam a gente



Foice que corta, pessoas que matam
A impunidade incentiva a maldade
A vingança nada vale se morremos lutando
Mas a injustiça se mantem em atos covardes



Distante do precipício observo a luz do farol
Sobre as ruínas, ao apagar do Sol


essa é um trecho de um das letras de uma parceria que eu fiz com o Filipe Sonne nem lembro onde esta o papel com ela completa e cifrada rsrs mas em breve eu coloco ela completa por enquanto vai com o titulo secular e provisório 

saudades dos tempos de composições ao luar, com a mente vazia ou perturbada 
esse poster vai pra o único cara que consegui compor, juntos pensávamos no mesmo ritmo e 
por onde andará my brother Sonne 

0 comentários:

Postar um comentário

Atenção

Atenção

Quem sou

Sou um jovem como outros qualquer, moro no RJ, tenho uma serie de romances, poesias e pequenas cornicas já escrito, e sem previsão para serem lançada, o que desejo com este blog expor meus textos e principalmente ser entendido, gosto de jogar RPG, teatro, arte, musica, filmes, filosofia e debates em geral, bem sejam bem vindos a minha epifania...

Postagens populares

Tecnologia do Blogger.

Google+ Followers